14 de novembro de 2007

Voyeurismo, Ma Non Troppo

Eu tinha outros planos para o post de hoje, mas a dawn veio com uma sugestão de site. Então, ela tem prioridade, e dane-se os outros que vão ter de se encaixar.

Brincadeira. O site é realmente interessante.

Trata-se do PostSecret. Começou como uma instalação de um artista plástico nos EUA (onde mais?) que consistia em deixar espalhados pela cidade diversos recadinhos não assinados contendo segredos pessoais. A princípio, quando vi a descrição do site, pensei uma das duas alternativas: ou o sujeito é muito corajoso, ou é completamente pirado. Mas dei uma chance. E me surpreendi com algumas coisas...

O site acabou virando uma espécie de comunidade-movimento. O artista plástico responsável pelo projeto solicitou a quem visse o blog da comunidade que enviasse para o seu endereço um segredo colocado em um cartão-postal feito em casa. Tem gente contando os mais variados segredos. Desde os mais banais e não-tão-segredo assim, até coisas mais pesadas como o cara que descobriu que o pai é bi.

O endereço para os interessados está nos primeiros postais da página. De preferência, mande em inglês, para que não aconteça o mesmo que o sujeito que mandou um segredo em mandarim...

4 comentários:

Stuart (Marcelo) disse...

E ae Vitor? Tudo beleza? Não sei se tu gosta desses memes (gosta que já participou do Blogday!! =p), mesmo assim te coloquei no joguinho, pois é legal conhecer outros blogs dessa maneira! Vê só do que se trata
http://orabolasmasquediabos.blogspot.com/2007/11/meme-5-minutos-mais.html

\o/

Ana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Edson disse...

Eu tenho uma coleção de post secrets no meu computador-morto-vico em casa. Presentes da Hazey Jane (my girl from Rio, you know who), que também adora esse site (quanta coincidência, não?)

Mas sei lá, eu acho o site meio assustador. O quanto de lamúria e infelicidade (embora também haja consolação ou mesmo pequenas coisas sublimes) que há nesses post secrets é mais forte, pra mim, do que filmes como Felicidade, do Todd Zolondz, por exemplo.

Edson disse...

"computador morto-vivo"