9 de outubro de 2007

Folk Rock: Take Me Home, Country Roads...

E esses dias eu baixei um álbum do Jethro Tull, o "Songs from The Wood". Um dos melhores álbuns que eu já ouvi, e que vêm me chamando cada vez mais a atenção para este gênero. Tá, Jethro Tull pode ser considerado mais como progressivo/hard rock, mas este é o primeiro álbum de uma trilogia deles que combina elementos do progressivo com o folk. A principal influência deles deriva, entre outras coisas, do fato de seu vocalista, Ian Anderson, ter se mudado nesta época para uma casa no campo. Sugestivo, não? (mais sugestivo ainda é o fato de Jethro Tull ser o nome de um inventor de um implemento agrícola do século XVIII...)

O estilo está intimamente associado com o country rock e com o rock celta. Ele consegue englobar gente, dentro desse grande guarda-chuva, gente que vai de Bob Dylan a The Thrills, de Nick Drake a Neil Young, e como eu disse antes, de Jethro Tull a Buffalo Springfield. Na periferia dessa enorme e nebulosa zona, estão gente como John Denver e Woody Guthrie, mais "raízes", por assim dizer.

A maioria desses cantores, que circulam entre EUA, Canadá, Irlanda e Reino Unido (embora existam representantes até na Hungria, conhecida por suas vastas pradarias e pelos seus tradicionais vaqueiros que parecem gaúchos), obviamente cantam coisas relativas à sua terra, embora fujam do tradicional clichê country de "minha-mulher-me-traiu-e-vou-me-consolar-com-minha-vaca". No caso de John Denver e do movimento que deu origem ao estilo, existe até mesmo um forte viés esquerdista ou anti-globalização, o que fez que, nos anos 50, o estilo fosse até mesmo alvo de acusações da caça às bruxas do macarthismo.

Mas eu não posso deixar de perceber que a maior vontade que se tem ao ouvir o estilo é de caminhar por uma estrada de terra ladeada de árvores, de sentar no terraço de um sitiozinho simpático, tomar banho de riacho, jogar baralho à noite com os amigos na mesa da casinha, e dormir ouvindo o chiado da cachoeirinha ali da várzea...

5 comentários:

Victor disse...

para dawn:

eu suspeito de duas pessoas. mas eu tenho uma certeza: quem quer que seja, tem longos cabelos ondulados e estuda em um curso de nível superior na área das ciências humanas.

mas é lógico que eu posso estar errado. a intuição nunca é o forte de nós, homens.

mas que timidez, hein, moça? normalmente, quando se esconde tanto o jogo assim, é porque a pessoa em questão está escondendo um certo tipo de capacidade extraordinária que possui.

para você:
"i've been a miner for a heart of gold"
(neil young - heart of gold)

Dawn disse...

Eu acho, só acho, que você suspeita de mim. Mas não sei como sabe dos meus longos cabelos ondulados.:P
Está certo também sobre o nível superior em ciências humanas. Mas será que você sabe mesmo isso sobre mim?
Sem nunca ter mandado um scrapzinho sequer? :)

Sim, eu possuo capacidades extraordinárias. Para o bem, eu não sei exatamente quais são. Já para o mal... ou seja, o joguinho do nunca-te-vi-sempre-te-amei-wannabe pode ser muito, muito mais interessante do que, er, a vida real!
Enfim, que extraordinária capacidade eu poderia demonstrar a quilômetros de distância? Palavras são legais, mas não têm matéria. :(

Ah, bom, qual o programa de TV que os seus pais não te deixavam assistir aos 5 anos?
E diz pro seu amigo que sal grosso não, poxa. Eu sou do bem... :)

Pra você:
"Vem, cara, me repara
Não vê, tá na cara, sou porta-bandeira de mim"
Marisa Monte - Infinito Particular
:)

Dá pistas sobre quem você desconfia?

Victor disse...

dou sim. você com certeza gosta de rock: isso conta muitos pontos comigo. você também escreve muito bem, embora nem sempre goste de expor isso. você tem meu perfil de orkut numa listinha de "preferidos", isso se eu já não estiver na sua lista de amigos. seria esta última dedução o último golpe no segredo de dawn?

e quanto a programas que meus pais não me deixavam assistir nessa idade, com certeza "pantanal" estava na lista. mas eu tenho algumas lembranças de juma marruá nadando pelada, cortesia de meus tios (na época moravam todos na casa de minha avó, que eu visitava sempre por morar longe de arcoverde).

Dawn disse...

Nah, que coisa. Você andou visitando meu perfil, e nem sabe que eu não estou no seu?
Como eu poderia ser sua amiga, se nunca nem trocamos um scrap?

You got it all wrong, babe.
O mistério de Dawn Wiener continua. Mwahahahah!
Ah, o que é ter alguém numa listinha de preferidos do Orkut?

Quanto a Pantanal, sei lá, nem pegava Manchete aqui em casa direito. Mas lembro da febre. O meu grande lance eram os avôs dos Power Rangers: Changeman.
A única coisa que lembro de ter censurada, bem na infância, foi o filme "Coração Satânico", que acho que minha mãe alugou - ou será que passou na TV?

Beijos, seu pernambucobucólico despistado. :)

Dawn disse...

E esta história de escrever bem, mas nem sempre gostar de expor isto? Como se eu escrevesse em miguxês de vez em quando?